Menu

BOLETIM AGRO: Soja tem início de semana estável e aguarda definições entre EUA e China

Boletim detalha início de semana para o agronegócio

  • Repórter
  • Data de publicação:
Banners

Olá, meu nome é Raphael Costa e este é mais Boletim Agro, um resumo das principais notícias do agronegócio.

O início da semana para os preços da soja é de altas moderadas. Com a retomada dos relatórios do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, o mercado ainda não opera de maneira mais intensa e aguarda uma possível resolução da guerra comercial entre norte-americanos e chineses. Quem vai nos detalhar essa situação, além de comentar outros assuntos, é a jornalista do Notícias Agrícolas, Carla Mendes. Bem-vinda, Carla.

“O foco depois de passado o esperado relatório da USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) volta a ser a guerra comercial entre China e Estados Unidos, e a nova reunião entre os dois países ocorre nesta segunda, em Pequim. Uma nova delegação norte-americana já está por lá. No fim da semana, chega o secretário do Tesouro dos EUA e as negociações se intensificam. Até que novidades do encontro sejam divulgadas, o mercado continua trabalhando com bastante cautela, e nessa segunda já intensificou as baixas na bolsa de Chicago. No final dessa segunda, as cotações já perdiam mais de 10 pontos na Bolsa de Chicago.”

E o ritmo de exportação de carne bovina caiu no início de 2019. Tanto a carne processada como in natura estão em um volume abaixo do exportado em janeiro do ano passado. E parte disso é explicada pela redução das compras por parte da China. De quanto foi essa queda e o quanto isso representa para o nosso mercado, Carla?

“No total, o Brasil já exportou esse ano cerca de 123.472 toneladas contra 123.712 no mesmo mês de 2018. Entretanto, apesar da queda ter sido limitada, as receitas caíram de maneira significativa, de US$ 517,6 mil, em 2018, foram para US$ 457,3 mil, em 2019, ou seja redução de 12%. As informações são da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo). A China continua sendo o maior cliente do produto brasileiro, absorvendo 41,4% do volume exportado, mas, em janeiro, Hong Kong reduziu suas compras em 27%. Ou seja, caíram de 7.706 toneladas em 2018 para 27.594 toneladas em 2019.”

Perfeito, Carla. Obrigado pelas informações, até a próxima.

“Eu que agradeço, até a próxima. Aos ouvintes que quiserem saber mais, acessem noticiasagricolas.com.br ”

Esse foi mais um Boletim Agro, muito obrigado a todos.
 

Raphael Costa

O repórter Raphael Costa formou-se em 2015 no Centro Universitário de Brasília (CEUB), mas deu início à sua carreira anteriormente. Originalmente paulista, começou em um programa de Rádio e TV local, até se mudar para Brasília. Com cerca de três anos de casa, é a voz que noticia esportes, agricultura e economia.


Conteúdos relacionados

Olá, meu nome é Raphael Costa e este é mais Boletim Agro, um resumo das principais notícias do agronegócio.

O início da semana para os preços da soja é de altas moderadas. Com a retomada dos relatórios do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, o mercado ainda não opera de maneira mais intensa e aguarda uma possível resolução da guerra comercial entre norte-americanos e chineses. Quem vai nos detalhar essa situação, além de comentar outros assuntos, é a jornalista do Notícias Agrícolas, Carla Mendes. Bem-vinda, Carla.
 

“O foco depois de passado o esperado relatório da USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) volta a ser a guerra comercial entre China e Estados Unidos, e a nova reunião entre os dois países ocorre nesta segunda, em Pequim. Uma nova delegação norte-americana já está por lá. No fim da semana, chega o secretário do Tesouro dos EUA e as negociações se intensificam. Até que novidades do encontro sejam divulgadas, o mercado continua trabalhando com bastante cautela, e nessa segunda já intensificou as baixas na bolsa de Chicago. No final dessa segunda, as cotações já perdiam mais de 10 pontos na Bolsa de Chicago.”

E o ritmo de exportação de carne bovina caiu no início de 2019. Tanto a carne processada como in natura estão em um volume abaixo do exportado em janeiro do ano passado. E parte disso é explicada pela redução das compras por parte da China. De quanto foi essa queda e o quanto isso representa para o nosso mercado, Carla?

“No total, o Brasil já exportou esse ano cerca de 123.472 toneladas contra 123.712 no mesmo mês de 2018. Entretanto, apesar da queda ter sido limitada, as receitas caíram de maneira significativa, de US$ 517,6 mil, em 2018, foram para US$ 457,3 mil, em 2019, ou seja redução de 12%. As informações são da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo). A China continua sendo o maior cliente do produto brasileiro, absorvendo 41,4% do volume exportado, mas, em janeiro, Hong Kong reduziu suas compras em 27%. Ou seja, caíram de 7.706 toneladas em 2018 para 27.594 toneladas em 2019.”

Perfeito, Carla. Obrigado pelas informações, até a próxima.

“Eu que agradeço, até a próxima. Aos ouvintes que quiserem saber mais, acessem noticiasagricolas.com.br ”

Esse foi mais um Boletim Agro, muito obrigado a todos.